Para quem não conseguiu ver ainda, reproduzimos íntegra da nota assinada pela Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação (COMPÓS), que é presidida pela coordenadora do CPCT, Roseli Fígaro, em conjunto com a Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor), Federação Brasileira das Associações Científicas e Acadêmicas de Comunicação (SOCICOM) e Associação Brasileira de Pesquisadores de Comunicação Organizacional e de Relações Públicas (Abrapcorp).

As entidades se posicionam sobre o desaparecimento do jornalista Dom Phillips e do indigenista Bruno Araújo Pereira, além de outros casos envolvendo ameaças a profissionais da comunicação. Todos os episódios são, infelizmente, reflexo direto do posicionamento adotado pelo governo federal.

Leia, a seguir, a nota.

Por que jornalistas são perseguidos, sequestrados e mortos?

Porque reportam para a sociedade os crimes, as mazelas, as desigualdades sociais, o roubo, o tráfico, as invasões, os assassinatos……

É exatamente disso que se trata novamente: o jornalista Dom Phillips e o indigenista da Fundação Nacional do Índio Bruno Araújo Pereira desapareceram na região da comunidade Ribeirinha de São Rafael, Amazonas, no domingo 5/6/2022. Eles estavam em missão para apurar os atos e violências contra as populações nativas da região.

Nessa mesma semana dois jornalistas foram ameaçados de morte pelas redes sociais porque apuravam a origem de fake news a favor da pessoa que ocupa a presidência da República.

Parecem casos isolados, mas não são. Os ataques a jornalistas têm sido a tônica nos últimos anos. Relatório da Federação Nacional dos Jornalistas – Fenaj aponta o aumento da violência contra os profissionais e ataques à liberdade de expressão, somando 430 casos em 2021.

As pessoas envolvidas com esse tipo de ameaça, perseguição e assassinato compõem um grupo bem específico que, ou agem diretamente em defesa de seus interesses inescrupulosos ou são mandates, porque cometem crimes diversos, mas querem se manter circulando como pessoas de bem. Esse tipo de gente circula muito perto do poder. Têm interesses econômicos nas ricas terras brasileiras, usam nossas fronteiras para tráfico, desmatam e roubam nossos minérios, envenenam, viciam e matam as populações locais e/ou suas lideranças.

Isso tudo acontece porque nós como sociedade ainda toleramos esses acontecimentos. Nós temos instrumentos legais para coagir essas atitudes, mas o Estado falha em aplicá-las e a sociedade falha em zelar pelos direitos dos cidadãos e pela soberania do País.

São urgentes as medidas para localizar Dom Phillips e Bruno Araújo Pereira; são urgentes as medidas para coibir as ameaças de morte contra jornalistas que apuram a origem das fake news e estão fazendo seu trabalho.

A sociedade brasileira não pode mais tolerar esses acontecimentos.

Nada justifica as ameaças, os sequestros e assassinatos!

É preciso empenho nas buscas de Bruno Araújo Pereira e Dom Phillips.

Brasil, 7 de junho de 2022

Associação Nacional de Programas de Pós-graduação em Comunicação – COMPÓS

Federação Brasileira das Associações Científicas e Acadêmicas de Comunicação – SOCICOM

Sociedade Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo – SBPJor

Associação Brasileira de Pesquisadores de Comunicação Organizacional e de Relações Públicas – Abrapcorp

Fonte: Centro de Pesquisa Comunicação e Trabalho (CPCT/USP)