[lang_pt]





A qualidade da informação jornalística. BENEDETI, Carina Maria. Florianópolis: Insular, 2009, 128 p. O texto da professora Carina Andrade Benedeti propõe uma Teoria Normativa do Jornalismo que ajude a compreendê-lo e a praticá-lo melhor. Fruto de uma dissertação de mestrado, torna-se uma referência para os cursos de graduação e pós-graduação da área, assim como para os jornalistas profissionais interessados em refletir sobre a qualidade de seu fazer.



capa_meloJornalismo: Compreensão e reinvenção. MELO, José Marques de. São Paulo: Saraiva, 2009, 272 p. O propósito do livro é o de estabelecer uma ponte entre o campo teórico e o mundo prático, no qual já atuam ou vão atuar os leitores, estudantes e profissionais do jornalismo, já que estes são os verdadeiros responsáveis pela reinvenção necessária ao jornalismo brasileiro em tempos tão atribulados, mas ao mesmo tempo tão interessantes para a prática da profissão.


capa_dutraA natureza da mídia: os discursos da TV sobre a Amazônia, a biodiversidade, os povos da floresta. DUTRA, Manuel Sena. São Paulo: Annablume, 2009, 258 p. Uma Amazônia urbana e moderna convive ao lado de outras Amazônias dotadas de traços específicos que as transformam em freqüentes pautas da mídia, com destaque para a televisão. Manuel Dutra discute neste livro o caráter de reiteração presente no elemento verbal dos programas escolhidos, mas um verbal que se insere no espetacular juntamente com a imagem em movimento, os efeitos de som e a participação de atores midiáticos estruturando conjuntos significantes. A Amazônia não é homogênea nem um vazio. Nela sobrevivem grupos aos quais a mídia, com freqüência chama de povos da floresta, às vezes povos da Amazônia. Para estes torna-se familiar a presença de antenas parabólicas, sucedâneas do rádio, tornando presentes realidades do mundo contemporâneo.

capa_santannaMídia das Fontes: um novo ator no cenário jornalístico brasileiro – Um olhar sobre a ação midiática do Senado Federal. SANT’ANNA, Francisco. Brasília: Edições Técnicas do Senado, 2009, 581 p. A tese de doutorado defendida na Universidade de Rennes, na França, analisa o fenomeno peculiar ao Brasil que é o surgimento de meios de comunicação de massa mantidos e operados por atores sociais comumentes percebidos pela imprensa como fontes de informação. Os exemplos são vários: desde as rádios comunitárias mantidas pelo MST até a Rádio Verde Oliva do Exército, das mídias religiosas às parlamentares, das mídias universitárias às do Poder Judiário. Um estudo de caso foi dedicado às Mídias do Senado Federal (Rádio, Jornal, TV, agência escrita e radiofônica) e aos seus profissionais. Perfil Social, Rotinas Profissionais, Valores Jornalísticos, Critérios Editoriais e a influência sobre a imprensa comercial e seus jornalistas são alguns dos enfoques realizados.


capa_gisleneO sonho da casa no campo: jornalismo e imaginário de leitores urbanos. SILVA, Gislene. Florianópolis: PosjorUFSC/Editora Insular, 2009. Partindo da pesquisa feita com leitores da revista Globo Rural que residem na cidade de São Paulo e não possuem nenhum tipo de propriedade no meio rural, o estudo tem como propósito apreender os movimentos do imaginário do leitor urbano no sonho mítico com a casa no campo e, por meio desse imaginário, contribuir para o debate das conexões entre campo e cidade e para o entendimento da interação entre sujeitos e produtos culturais simbólicos, no cotidiano urbano contemporâneo. Esta investigação, no âmbito da recepção midiática e da narrativa cultural potente em sua dimensão simbólico-mítica e imaginária, se dá no diálogo do Jornalismo com a Antropologia.





[/lang_pt]